Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility

Consultoria em biblioteca, literatura e leitura.

- A +

Para o escritor João Silvério Trevisan, "homofobia não cabe na democracia"

Postado em 17 DE maio DE 2021
[caption id="attachment_65721" align="alignleft" width="1330"]João Silvério Trevisan. Foto: Reprodução. João Silvério Trevisan. Foto: Reprodução.[/caption]

O Dia Internacional contra a Homofobia, 17 de maio, foi referência de atividade conduzida pelo escritor João Silvério Trevisan na programação online da BSP, intitulada "Homofobia não cabe na democracia". Realizado na tarde de sábado, 15, o encontro reuniu mais de 30 pessoas em torno do tema e da fala de Trevisan, que é também ativista da comunidade LGBT+ e pesquisador do tema. Os mecanismos da homofobia, as causas e as consequências em nossa sociedade pontuaram a palestra, que contou com a participação do público em uma sessão de perguntas e respostas, no encerramento da atividade.

Para Trevisan, em uma democracia de verdade, o comportamento homofóbico não é problema apenas para a comunidade LGBT+, assim como o racismo não se circunscreve somente à comunidade negra. Como ressaltou, trata-se de inclusão, de acolhimento da diversidade de valores, culturas e grupos. Na opinião do escritor, quem está tranquilo com sua sexualidade não se incomoda com a orientação e gênero dos demais.

Trevisan evidenciou as raízes da homofobia na história da humanidade e traçou paralelos com a tradição da estrutura cristã, no decorrer dos séculos (apesar de, como diz ele, a questão não ser exclusividade do cristianismo). Como destacou, trata-se muito do sistema patriarcal falocêntrico e da organização cristã que se protegem e se complementam historicamente.

Um cenário que, ainda hoje, resulta em violência, como salientou Trevisan ao citar alguns dos casos noticiados recentemente. Só no ano passado, 175 travestis e transexuais foram assassinados em crimes de ódio, segundo dados de dossiê da Associação Nacional de Travestis e Transexuais. Para ele, se estamos de fato em uma democracia - ou lutando por uma -, não podemos continuar "fazendo de conta" que cidadãos LGBT+ sejam considerados de segunda categoria.
Trevisan falou ainda sobre sua trajetória literária, que soma 14 livros publicados, entre ensaios, romances e contos. Sua publicação mais recente, de 2019, é o romance "A idade de ouro do Brasil" (clique aqui para saber mais sobre Clube de Leitura que tratará do título em 21 de maio e inscreva-se em https://bsp.org.br/inscricao). Em 2018, saiu a quarta edição atualizada e ampliada de seu estudo já clássico intitulado "Devassos no paraíso - A homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade". Ativista na área de Direitos Humanos, fundou, em 1978, o “Somos”, primeiro Grupo de Liberação Homossexual do Brasil, e foi um dos editores-fundadores do mensário "Lampião da Esquina", o primeiro jornal voltado para a comunidade LGBT+ brasileira, ainda na década de 70. Atualmente, Trevisan trabalha em pesquisa para edição atualizada de "Seis balas num buraco só".


Quer saber mais sobre o escritor? Acesse o bate-papo realizado na BSP, em edição do Segundas Intenções, em nosso canal no YouTube. Ou dê play no vídeo abaixo.