Mulheres vencem todas as categorias do Prêmio São Paulo de Literatura


Três escritoras foram as vencedoras do Prêmio São Paulo de Literatura 2018. A cerimônia de entrega dos prêmios foi realizada, na noite de 5 de novembro, na Biblioteca Parque Villa-Lobos, na zona Oeste da capital paulista, e contou com a presença de Romildo Campello, Secretário Estadual da Cultura, escritores, editores, jornalistas e leitores, além de outros profissionais ligados ao setor. Com o auditório cheio, o evento, comandado pela jornalista Chris Maksud, teve início com apresentação de detalhes sobre a premiação e vídeo institucional da SP Leituras, apresentando a Biblioteca de São Paulo e Biblioteca Parque Villa-Lobos, ambas finalistas de premiações internacionais em 2018 e geridas pela Organização Social SP Leituras.

A noite de festa contou ainda com performance da atriz e contadora de histórias Kiara Terra, que, com a contribuição da plateia, construiu uma história marcada pela poesia, música e emoção. O esperado anúncio dos vencedores deu-se a seguir e surpreendeu a todos com a premiação de três mulheres, feito inédito na história do Prêmio São Paulo de Literatura.

Aline Bei, de “O peso do pássaro morto”, foi a primeira a ser anunciada – por Rogério Pereira, diretor da Biblioteca Pública do Paraná – como ganhadora na categoria de Melhor Livro do Ano – Estreantes / menos 40 anos. Emocionada, Aline agradeceu aos que acompanharam a sua trajetória (família, editora etc.), citando inclusive o escritor Marcelino Freire. E destacou, ao final, a importância da Literatura: “a gente tem que estar com um livro na mão e não com arma. É livro! Literatura salva!”, disse em seu discurso de agradecimento. Cristina Judar, de “Oito do sete”, foi a vencedora na categoria Melhor Livro do Ano – Estreantes / mais 40 anos, prêmio entregue por Sílvia Alice Antibas, coordenadora da Unidade de Difusão Cultural, Bibliotecas e Leitura. Cristina é jornalista, escritora e autora de histórias em quadrinhos e, em sua obra, que trata do momento atual, da contemporaneidade, reúne personagens que remetem à temática LGBT.

O último anúncio da noite foi o da vencedora da categoria Melhor Livro do Ano. Romildo Campello, Secretário Estadual da Cultura, fez as honras ao chamar Ana Paula Maia, de “Assim na terra como embaixo da terra”. A escritora não compareceu ao evento, pois está no exterior. Um coquetel encerrou a festa na Oca da Biblioteca Parque Villa-Lobos. Veja, aqui, as fotos do evento.